____ julho 13, 2016 ____

5 dias de realidade – Dia 3: Quando as campanhas de combate à obesidade falham

3616210_orig

As campanhas contra obesidade não estão isentas de críticas por sua boa intenção (é como diz o ditado…). Assim como dentro do consultório médico uma pessoa obesa recebe um atendimento que a afasta justamente da área da saúde, é também nas campanhas contra a obesidade que a pessoa obesa se depara com a sua depreciação. Por exemplo, teve essa campanha publicitária francesa contra obesidade infantil que acabou por colocar a criança obesa num lugar de ridicularização. Veja aqui como pessoas obesas reagem mais favoravelmente a campanhas que se relacionam com o empoderamento do que as já incessantes campanhas que acabam mais chocando do que resolvendo o problema. Aos preocupados com a saúde, parece que o empoderamento é parte do tratamento e é bem recebido por aqueles que normalmente são colocados num lugar de incapacidade e inferioridade.

Saúde não é só saúde física. É mental também. Essa sociedade, esse atendimento médico, essas campanhas contra obesidade, essa cultura que estigmatiza corpos gordos acabam contribuindo para desencadear depressão, ansiedade, insatisfação corporal, tendências suicidas e comportamentos alimentares transtornados.

O se sentir gordo às vezes mascara outros aspectos que merecem atenção e cuidado. “Gordo” e “gorda” não são sentimentos e essa forma de se expressar esconde o estar frustrado, triste, com raiva, sentindo culpa e por aí vai. Distorce o que a pessoa sente e tudo é despejado no seu aspecto físico. Expandir a noção para além do tamanho do corpo ou do número da balança ajuda numa visão menos depreciativa de si mesmo, logo, interfere positivamente no bem estar do paciente e pode fazer com que ele se expresse melhor sobre o que sente e possa tratar disso da forma correta e não através da relação compulsiva com a comida, por exemplo.

Nos EUA, a gente tem exemplo de duas abordagens diferentes em literatura infantil. No livro “Maggie goes on a diet”, é mostrada às crianças a história de uma menina que após emagrecer consegue se tornar a estrela do time de futebol da escola, reforçando a ideia de que a pessoa precisa perder peso para fazer o que quer e ser feliz – ou a ilusão que muitas pessoas gordas sustentam de que, ao emagrecerem, tudo irá se resolver. Um outro livro, chamado “Amanda’s big dream” fala sobre uma patinadora que ouve da técnica que não pode patinar por causa de seu peso e resolve abandonar seu sonho, mas recebe apoio de seus pais e de sua médica e volta a patinar, mostrando que seu corpo não deve ser um impedimento e que o que importa não é o peso e sim um estilo de vida saudável. A autora desse livro, que é especializada em transtornos alimentares, mostra como informar ao outro sobre seu grau de obesidade não tem efeito motivador, pelo contrário, é desmotivante. Neste texto do blog “O Corpo é meu”, a nutricionista Ana Carolina fala sobre as mensagens positivas sobre saúde e felicidade que este tipo de abordagem como a do livro “Amanda’s big dream” pode passar às crianças.

Não é se sentindo mal que o obeso vai buscar mudar sua realidade. Neste outro texto, a nutricionista pergunta “Mudar para se sentir bem ou se sentir bem para mudar?” e diz que a “motivação vem do quanto o indivíduo percebe a mudança como importante para sua vida e do quanto ele se sente confiante em executá-la. Difícil imaginar que uma pessoa se sinta confiante ouvindo todos os dias a mensagem de que é inadequada”. Ela diz ainda em seu blog que “comentários negativos sobre peso vindos de uma pessoa importante e amada tendem a aumentar a ansiedade com o corpo e a comida, contribuindo para uma pior imagem corporal e autoestima, além de incentivar atitudes alimentares inadequadas.”

Busquem “campanha contra obesidade” no google e vejam como elas se utilizam da reprodução de imagens depreciativas de pessoas gordas.

__ Comentários via Facebook __