Eventos

____ julho 30, 2015 ____

Circuito do Vinho – Gruta São Sebastião

O Circuito do Vinho – Edição Gruta São Sebastião foi o segundo evento para produtores de conteúdo de gastronomia para o qual eu fui chamada. A Gruta São Sebastião, localizada no CADEG, nos ofereceu um jantar com destaque para a gastronomia portuguesa, com a degustação de pratos típicos e a harmonização de vinhos. O menu foi elaborado pelo chef da casa, Daniel Batista, e as informações sobre os vinhos apresentados foram dadas pelo maitre Valnei, que nos ensinou um pouquinho sobre os vinhos que ele selecionou de forma especial para a gente.

IMG_6218

A Gruta São Sebastião é um dos mais tradicionais restaurantes do CADEG e possui mais de sessenta opções em seu cardápio. O CADEG é ponto importante da gastronomia do Rio de Janeiro. Localizado em Benfica, lá existem lojas de bebidas nacionais e importadas, mercearias, laticínios, legumes, verduras e também lojinhas de flores, plantas e decoração, além dos restaurantes.

IMG_6179

IMG_5253

Podíamos acompanhar o trabalho na cozinha através do vidro:

IMG_6183

IMG_6180

Como entrada tivemos bolinho de bacalhau recheado com queijo Serra da Estrela e salada de grão de bico, pratos harmonizados com vinho italiano Mionetto Vivo. O recheio de queijo foi uma surpresa agradável e quanto à salada, eu amo grão de bico!

IMG_5254

Os pratos foram: Arroz de polvo com brócolis à moda do Porto; Camarão ao alho e vinho com arroz de açafrão; Bacalhau à lagareiro servido com batatas ao murro, cebola gratinada com açafrão e brócolis americano cozido; Paleta de cordeiro assado acompanhado de risoto de amêndoas com aspargos frescos. Cada um dos quatro pratos harmonizado com um vinho delicioso! Para a sobremesa, rabanada e pastel de belém –  sobremesa dos sonhos!

IMG_5257

IMG_6266

Uma delícia ir a um encontro de gastronomia e poder ver diversidade nas pessoas. Cada um com seu trabalho e uma proposta diferente, o que permite uma multiplicidade de estilos e comportamentos, o que nos deixa a vontade para aproveitar o encontro. Pude conhecer a Beatriz do Raízes Brasil, falar com o casal fofo do Morando Junto e estar novamente com pessoas agradáveis como a Roberta, a Francelle a Laísa!

IMG_5258

IMG_6288

Fotógrafo do evento: Carlos Miller

Todas as fotos aqui publicadas foram tiradas com o meu IPhone, com exceção da última, que é do fotógrafo Carlos Miller.

Patrocínio: Restaurante Gruta São Sebastião
Realização: Bolsa de Eventos
Apoio: Sharing for Social, MyRestaurant, Neurônios S/A, Doces do Eurico,
Adega Alentejana, Nossa Senhora Empório de Fátima, Nova Peixaria Usina, Genuíno Bom Porto e Bureau Carioca.

____ abril 12, 2015 ____

Circuito Galli Digital – Encontro de Blogueiros de Gastronomia

Quarta-feira, dia 8, ocorreu no Restaurante Galli, no Shopping Via Parque, na Barra da Tijuca, o Circuito Galli Digital, que reuniu blogueiros e produtores de conteúdo do segmento de gastronomia. Eu fui uma das blogueiras convidadas e fiquei muito feliz por poder fazer parte desse momento de troca de experiências.

IMG_4406

Francelle Jacobsen, planner e professora de mídias sociais e Juliana Dias, professora de jornalismo gastronômico e idealizadora do site Malagueta News, estavam lá para dividir conhecimentos. Eu fiz o curso de Jornalismo Gastronômico na FACHA com a Juliana Dias e uma das aulas foi com a Francelle, então eu digo a partir da minha experiência que ouvir o que as duas tem a dizer é se permitir ampliar a visão para ambos os ramos (que estão interligados). Também conferi o lançamento do aplicativo Yummie, com o empreendedor digital Michael Lopes.

IMG_4569

IMG_4568

Como entrada eu comi camarão ao alho e óleo. Os pratos principais foram: Risoto de funghi e Ribeye e Camarão crocante (lançado primeiramente no evento, com entrada no cardápio dia 13/04). O prato é camarão empanado no pão de alho com arroz siciliano. Quanto ao risoto de funghi, é um dos meus pratos favoritos.

IMG_4565

Para a sobremesa, tortas variadas da Dolceria di Norma. Eu experimentei o Cheesecake Cassis.

IMG_4570

Ao final, ganhamos uma sacola com alguns presentes, entre eles o livro Diário da Cozinheira, da Carla Pernambuco. O livro é composto de suas histórias pessoais em viagens pelo mundo, onde a cozinheira experimenta a culinária e a cultura de diferentes países, aprende a fazer os pratos e divide as receitas. .

IMG_4554

Bom, todo evento é feito por pessoas, desde os organizadores até os convidados. Lá estava o casal do blog Morando Junto, que eu gosto bastante. A Tita, do Festival da Colher, que é minha amiga e escreve sobre o assunto de uma forma muitas vezes poética. Eu pude conhecer o Rodrigo, do Garfo Carioca, a Lívia do Bendita Panela e a Andréa do Aromas e Sabores. Esse tipo de ocasião nos permite conhecer outras pessoas envolvidas com a área da alimentação e entrar em contato com a diversidade que é o segmento da gastronomia.

____ março 30, 2015 ____

Evento “Conhecer e comer: Caminhos para Redescobrir a Comida de Verdade”

No dia 24 de março ocorreu o evento “Conhecer e comer: Caminhos para Redescobrir a Comida de Verdade – Perspectiva do Guia Alimentar para a População Brasileira“, que lotou o Auditório Roxinho do Centro de Ciências Matemáticas e da Natureza (CCMN) da UFRJ. O evento, que começou de manhã e foi até o início da noite, contou com conferências, palestras, painéis e bate-papos com profissionais engajados no assunto da comida de verdade e da soberania alimentar, enriquecendo um debate atual e direcionado pelo lançamento do Guia Alimentar.

capa-evento

Ao discutir os ultraprocessados e para quem esses alimentos seriam convenientes, o evento trazia a ideia de que a alimentação é muito mais do que a ingestão de nutrientes e se relaciona com aspectos culturais e sociais. A discussão trouxe a reflexão da diferença entre ALIMENTO e PRODUTO COMESTÍVEL ao analisar o alto teor publicitário por trás das indústrias de alimentos que dominam o mercado. Nesse sentido, também foi discutido o papel da publicidade infantil que vende às crianças produtos com grande adição de açúcar e bastante artificiais, embaçados por uma ideia de energia e presença de vitaminas, bem como comerciais com personagens associados ao público infantil e crianças atuando, o que aproxima o público infantil da mensagem. Muito interessante tratarmos como “produto” e colocarmos as coisas em seus devidos lugares, porque as palavras que usamos para nos comunicar também nos posicionam politicamente sobre um assunto e mostram que caminhos queremos tomar numa discussão.

O vídeo de Michael Pollan, gravado especialmente para o evento, parabenizava o Brasil pelos caminhos tomados por esse Guia Alimentar, que apesar de suas limitações e da necessidade de reformulação/atualização do Guia Alimentar para crianças menores de dois anos, já demonstra uma mudança importante ao proporcionar uma visão sobre a comida de verdade e colocar em questão a prioridade do consumo de produtos in natura ou minimamente processados ao invés dos ultraprocessados. Segundo Pollan, devemos optar pelas áreas do mercado que vendem comidas frescas. Pollan ainda falou sobre evitarmos produtos que contenham muitos ingredientes, especialmente ingredientes difíceis de pronunciar, dividindo de forma bem humorada sua experiência conosco.

IMG_4051

A discussão sobre soberania alimentar nos trouxe a importância de compreender o todo envolvido na produção do alimento e a necessidade de se ter em mente que a comida de verdade é feita por gente de verdade, quando hoje em dia já estamos tão distanciados do processo de produção. Não poderia faltar, claro, a discussão sobre a concentração de terras no Brasil e o olhar para os movimentos sociais que estão inevitavelmente ligados à busca, de nossa parte, por uma soberania consumidora. Para isso, precisamos de uma soberania produtora, como bem salientou a Dra. Daniela Sanches Frozi (FIOCRUZ/DF PALIN).

O auditório lotado mostrava o quanto é relevante para estudantes e profissionais de diferentes áreas o debate sobre o que comemos e deixava nítida a vontade de discutirmos a comida (!!) para nos apropriarmos de nossa alimentação, do preparo da refeição, da cultura e da História que todo esse processo envolve. Como disse Regina Tchelly, do projeto Favela Orgânica, “o alimento é para unir”. Ali estávamos unidos pela comida de verdade.